sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Métodos de extração dos óleos essenciais


Visite a página da Viessence 
e tenha acesso a uma grande variedade de 
óleos essenciais e óleos gordurosos
obtidos por diferentes métodos de extração

Os óleos essenciais proveem de diferentes partes das plantas: pétalas, raízes, caule, bagas, sementes, seiva, folhas ou casca. Dependendo do tipo de planta em questão os óleos concentram-se num local distinto. Da mesma forma, o método de extração ideal também varia em função da planta.

As características químicas de um óleo essencial poderão ser diferentes conforme o método empregado para a extração do mesmo. O calor e a pressão usados no ato da extração podem, por exemplo, interferir na qualidade final do óleo essencial, pois no momento da extração as sensíveis moléculas de um precioso princípio ativo podem ser quebradas e oxidadas em produtos de menor eficácia, ou às vezes até tóxico.

São vários os métodos de extração existentes. Os industriais encontram-se bastante sofisticados mas existem também diversos métodos de extração caseiros que lhe permitirão obter as suas próprias essências.

Vamos ver então alguns métodos usados para a extração de óleos essenciais...

Destilação a vapor



A destilação a vapor é o mais comum método de extração de óleos essenciais. Normalmente é empregado para obterem-se óleos essenciais de folhas e ervas, mas nem sempre é indicado para extrair-se o óleo essencial de sementes, raízes, madeiras e algumas flores. Por exemplo, flores como o Jasmim, podem sofrer destruição de suas frágeis moléculas aromáticas, vindo a perder todo o seu perfume e princípios ativos, devido à alta pressão e calor empregado no processo. A destilação a vapor é feita em um alambique onde partes frescas da planta e algumas vezes secas são colocadas dentro. Saindo de uma caldeira, o vapor circula através das partes da planta forçando a quebra das frágeis bolsas intercelulares que se abrem e liberam o óleo essencial. À medida que este processo acontece, as sensíveis moléculas de óleos essenciais evaporam junto com o vapor da água viajando através de um tubo no alto do destilador, onde logo em seguida passam por um processo de resfriamento através do uso de uma serpentina e se condensam junto com a água. Forma-se então, na parte superior desta mesma água obtida, uma camada de óleo essencial que é separado através de decantação. A água que sobra de todo este processo, depois de retirado o óleo, é chamada de água floral, destilado, hidrosol ou hidrolato. Ela contém muitas propriedades terapêuticas extraídas da planta, sendo útil para preparados para a pele e também para uso oral. 














Extração por solvente

Determinados tipos de óleos são muito instáveis e não suportam o aumento de temperatura. Por isto, é usada a extração por solvente para se conseguir o óleo essencial destas plantas mais delicadas. Neste processo um solvente químico como o hexano é usado para extrair os compostos aromáticos da planta. Isto fornece um produto chamado de concreto. O concreto pode ser dissolvido em álcool de cereais para remover o solvente. Quando o álcool evapora, o absoluto aparece. No processo de extração do concreto obtém-se não somente o óleo essencial, mas também ceras, parafinas, gorduras e pigmentos. Neste caso, o concreto acaba tendo uma constituição pastosa (o concreto do Jasmim real possui em torno de 55% de óleo essencial). Já o absoluto, além de fazer uma limpeza dos solventes anteriormente empregados, também purifica a mistura das ceras, parafinas e substâncias gordurosas presentes, o que leva o produto final a ter uma consistência mais líquida. O teor de solvente no produto final pode variar de menos de 1% até 6%. Em teores tão baixos quanto 1% consideramos o produto apto ao uso terapêutico, isso quando indicado neste sentido, e no caso daqueles obtidos somente pelo uso do álcool, é aceitável seu emprego com esta finalidade mesmo em teores superiores a 1%, como acontece com algumas resinas como a mirra e benjoim (é como comparar com o uso de tinturas de plantas, mas com teor quase imperceptível de álcool). A extração por solvente também pode alterar em muito a composição química do produto final.

CO2 hipercrítico


As partes das plantas a serem extraídas são colocadas em um tanque onde é injetado dióxido de carbono hipercrítico a uma pressão de 200 atmosferas e temperaturas superiores de 31°C. Nessa pressão e temperatura, o CO2 atinge o que seria um quarto estado físico, no qual a sua viscosidade é semelhante à de um gás, mas a sua capacidade de solubilidade é elevada como se fosse um líquido. Uma vez efetuada a extração, faz-se com que a pressão diminua e o gás carbônico volta ao estado gasoso, não deixando qualquer resíduo de solvente. A grande solubilidade e a eficiência na separação tornam o CO2 hipercrítico mais indicado para ser utilizado na indústria do que solventes orgânicos. Por CO2 hipercrítico podem ser retirados os terpenos presentes nos óleos essenciais, tornando assim um óleo essencial mais puro.

Prensagem a frio



Outro método de extração de óleos essenciais é por prensagem a frio (pressão hidráulica) ou escarificação. Ele é usado para obter óleo essencial de frutos cítricos como bergamota, laranja, limão e grapefruit. Neste processo, as frutas são colocadas inteiras e prensadas por uma prensa hidráulica e delas extraído tanto o óleo essencial quanto o suco. Após a prensagem é feita a centrifugação da mistura, através da qual se separa o óleo essencial puro. Existe também a extração de óleos de cítricos por destilação a vapor, o que é feito para eliminar as furanocumarias que mancham a pele. Porém é considerado o óleo retirado por prensagem a frio de qualidade superior no sentido terapêutico. Não somente é feito extração de óleos essenciais de cítricos por este método, mas de maneira semelhante o óleo extra-virgem de amêndoas, castanhas, nozes, germe de trigo, oliva, semente de uva e também de algumas sementes das quais se extrai normalmente o óleo essencial por destilação, como é o caso do cominho negro. 


Em casa pode simular este método, bastando para tal descascar os frutos e reservar a parte externa da casca, local onde se acumulam as essências. Posteriormente, corte as cascas em pedaços e coloque-as num pano de linho ou algodão. Depois, sobre uma tábua, triture-as tanto quanto possível. Por último, colha o líquido que escorre no pano para um pequeno frasco, que deve ser hermeticamente conservado e prontamente fechado para evitar a evaporação dos óleos essenciais.

Turbodestilação


Vários métodos de extração modernizados têm-se tornado alternativas para a destilação a vapor. A turbodestilação é adequada para partes de difícil extração de óleo essencial da planta, como é o caso de cascas, raízes e sementes. Neste processo as plantas são emersas na água e o vapor é posto a circular então em meio a esta mistura de planta e água. Através deste processo, a mesma água é continuamente reciclada através do material da planta. Este método torna mais rápido a extração de óleos essenciais de difícil e lenta obtenção. Na hidrodifusão, o vapor sob pressão atmosférica normal é disperso do topo da câmara diretamente sobre o material da planta. Desta forma o vapor pode saturar o material mais igualmente e em menor tempo do que na destilação a vapor. Este método é também menos severo do que a destilação a vapor, resultando em óleos essenciais que cheiram de forma muito mais semelhante às plantas originais e melhores.

Hidrodestilação


Na hidrodestilação a matéria-prima vegetal é completamente mergulhada em água, sem que a temperatura ultrapasse os 100 C. Neste processo, evita-se a perda de compostos sensíveis a altas temperaturas, mas, em compensação, torna a destilação mais lenta e com menor rendimento. Trata-se de uma técnica de destilação bastante antiga (artesanal), mas que continua sendo praticada em países atrasados cujas caldeiras a vapor ainda não chegaram.

Enfleurage


Algumas flores como o Jasmim ou Tuberosa têm baixo teor de óleos essenciais e são extremamente delicadas não podendo ser destiladas a vapor, pois podem sofrer perdas quase completas de seus compostos aromáticos. Em alguns casos um processo lento e caro chamado enfleurage é utilizado para obter-se o óleo essencial destas flores. As pétalas, então, são colocadas em gordura vegetal ou animal, sem cheiro, para que absorve os óleos essenciais. Todos os dias ou de determinadas a determinadas horas, depois que a gordura absorveu todo o óleo essencial possível, as pétalas são removidas e substituídas por outras frescas, recém-colhidas. Este procedimento continua até que a gordura venha a ficar saturada com o óleo essencial. Adicionando álcool à mistura é possível separar o óleo essencial da gordura, pois o óleo essencial é mais solúvel no álcool. Aí então teremos o absoluto. Este é um processo difícil e demorado. Normalmente o enfleurage puro, somente é empregado em fazendas de interior na Europa.


Fitóis ou Florasóis

Este método de extração utiliza um novo tipo de solvente gasoso que não é tóxico e não deixa resíduo. Nos fins da década de 80, o Dr. Peter Wilde pela primeira vez analisou as propriedades específicas deste solvente, o "florasol" (R134a), para a extração de óleos aromáticos e compostos ativos de materiais de plantas, tanto para uso dentro da alimentação, farmácia, aromaterapia e indústria de perfumes. A extração ocorre sob temperatura ambiente e, devido a isso, não há degradação química dos produtos. O óleo essencial obtido por este processo é limpo, claro e completamente livre de gorduras e ceras. O Dr. Wilde patenteou sua descoberta como "fitol", ou "fitônicos".

Maceração

Para extrair as suas próprias essências em casa utilizando este método, é necessário macerar num óleo as suas flores preferidas (jasmim, rosas, etc.) até que este fique totalmente impregnado com o aroma das flores e escolher um óleo carreador. Uma forma muito simples de fazer consiste em colocar num recipiente de cobre uma parte de pétalas de flores e duas partes de um óleo (óleo de amêndoa ou girassol). Posteriormente, aquece esta infusão, lentamente, durante 3 horas. No final, filtram-se as flores, espremendo-as energicamente e reserva-se a solução resultante num local fresco, afastada do sol.


Novos métodos de extração estão sendo testados e pesquisados com o objetivo de se obter um óleo essencial cada vez mais puro e completo.  Alguns dos métodos citados acima ainda são muito dispendiosos o que aumenta o custo dos óleos essenciais extraídos por estes, como é o caso do CO2 hipercrítico, no entanto, a qualidade terapêutica do óleo essencial obtido é muito melhor se comparada com métodos mais tradicionais como o de destilação. Acredito que aos poucos estes custos vão se reduzindo e uma maior quantidade destes óleos será disponibilizada comercialmente. Existem vários óleos essenciais já obtidos por CO2, como o gengibre, lavanda, cravo, hortelã pimenta, manjericão, mirra, orégano, entre outros. A diferença no aroma e nas propriedades terapêuticas é bastante expressiva e aconselho a adquirir algum destes óleos e comparar com o mesmo óleo essencial, porém destilado, para comprovar o que estou afirmando aqui...  você vai ficar impressionado, com certeza.




11 comentários:

  1. Olá, gostaria de saber onde adiquiro um equipamento desses de destilação a vapor? Estou desenvolvendo uma pesquisa com uma espécie do cerrado. Ficaria muito agradecida se pudessem me passar esta informação. Lilian Rocha

    ResponderExcluir
  2. Olá Lilian, existem algumas fábricas destes equipamentos aqui no Brasil, entre elas cito a Marconi - http://www.marconi.com.br/home.jsp , a Linax - http://www.linax.com.br/index.php?page=destilacao , Ecirtec - http://www.ecirtec.com.br/index.php , entre outros.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite, pergunto se esta receita que me deram está correcta.
    Pus alguns raminhos de alfazema e alecrim juntamente com 1 litro de parafina líquida numa panela em banho-maria durante 2 horas. No final passei por um coador e meti em frasquinhos de vidro.

    Amândio Monteiro

    ResponderExcluir
  4. tenho procurado,mas esta dificil,ja vi pela televisao eu acho que o maquinario e muito artesanal foi no amazonas,que eles astavam tirando o oleo da andiroba esse tipo de processo pode fazaer o mesmo com outros tipod de amendoas,e para as flores e casca de frutase e de arvore,qual e o processo artezanal,e tambem ,ve este maquinario de decantaçao parace que e este que eles usasm para fabricar cachaça,ele da certo tambem........

    ResponderExcluir
  5. Adorei as informações! Estou desenvolvendo um projeto de pesquisa e fui orientado a pesquisas sobre os métodos de extração de óleos essenciais. Durante a pesquisa me surgiu um dúvida, existem óleos essenciais relacionados a produção de biocombustíveis???

    ResponderExcluir
  6. Olá gostaria de ter o seu sobrenome, não
    visualizei constando no perfil, gostaria do mesmo
    para poder citá-lo como referência em um trabalho!
    Obs: não consegui ter acesso ao e-mail.

    ResponderExcluir
  7. Olá e sobre a extração a vácuo? Pode comentar?

    ResponderExcluir
  8. As flores de Jasmin e rosas são sensiveis por vapor. Gostaria de saber usando o sistema das petalas com oleo de girasol em cima de um vidro. Como retirar o oleo do vidro?

    ResponderExcluir
  9. Na enfleurage como retirar o oleo essencial do vidro, após estar curtido.

    ResponderExcluir
  10. No processo através do alambique, junto com, por exemplo as folhas, é colocada alguma água no fundo do alambique para criar o vapor, ou as folhas são colocadas sem a água?

    ResponderExcluir